sexta-feira, 24 de junho de 2011

Cantigas Trovadorescas

As cantigas de amigo

Essa cantiga tem sua origem popular, são marcadas pela literatura oral, ou seja, paralelismo, refrão, reiterações e estribilho, onde isso são recursospróprios do texto que servem para serem cantados e que propiciam facilitação de memorização. Nas cantidas populares, ainda são usasos esses recursos. 

Essa cantiga teve origem na Península Ibérica, ela apresenta um eu-lírico feminino, pore´m com um autor masculino, ele canta seu amor pelo seu amigo, em um ambiente mais natural, em grande parte, faz um diálogo com a suas amigas ou com a sua mãe. Na cantiga de amigo, a figura feminina é de uma jovem que começa a amar, lembrando as vezes da ausencia do amado, ou cantando a sua alegria por um encontro com ele. Essa cantiga pode mostrar também a tristeza da mulher, pelo fato do seu amado ter ido para a guerra. 
Essa cantiga é de amigo, e mostra que a mulher espera ansiosamente pelo amigo, visa bastante às ondas do mar de Vigo e sobre o regresso de seu amado. 

Vejamos um exemplo de uma cantiga de amigo:
 

Cantiga de amigo de Martim Codax (paralelística)



Paráfrase 

Ondas do mar de Vigo 
Se vires meu namorado! 
Por Deus, (digam) se virá cedo! 

Ondas do mar revolto, 
Se vires o meu namorado! 
Por Deus, (digam) se virá cedo! 

Se vires meu namorado, 
Aquele por quem eu suspiro! 
Por Deus, (digam) se virá cedo! 

Se vires meu namorado 
Por quem tenho grande temor! 
Por Deus, (digam) se virá cedo!
 

Essa cantiga é de amigo, e mostra que a mulher espera ansiosamente pelo amigo, visa bastante às ondas do mar de Vigo e sobre o regresso de seu amado.


As cantigas de amor
   Nas cantigas de amor o homem se refere à sua amada como sendo uma figura idealizada, distante. O poeta fica na posição de fiel vassalo, fica as ordens de sua senhora, dama da corte, onde esse amor é considerado como um objeto de sonho, ou seja, impossível, que está longe. Esta cantiga teve origem no sul da França, apresentando um eu – lírico é masculino e também sofredor. Nas cantigas de amor o poeta chama sua amada de senhor, pois naquela época, todas as palavras que terminavam com “or”, em galego-português não tinham feminino, portanto ele dizia “minha senhor”, ele cantava a dor de amar, onde está sempre acometido da “coita”. Essa palavra (coita)é muito usada nessas cantigas, ela significa sofrimento por amor. 


Vejamos um exemplo de cantiga de amor:

Texto I – Cantiga de amor


Essa cantiga de Afonso Fernandes mostra algumas características de incorrespondência amorosa. 

“Senhora minha, desde que vos vi, 
lutei para ocultar esta paixão 
que me tomou inteiro o coração; 
mas não o posso mais e decidi 
que saibam todos o meu grande amor, 
a tristeza que tenho, a imensa dor 
que sofro desde o dia em que vos vi.” 


Nessa 1ª estrofe o trovador expressa o que sente mais de uma maneira que expressa súplica, a mulher que ele conheceu está sendo idealizada em que ele se declara a ela, ele expõe os argumentos que justificam sua desgraça. 

Texto II – Cantiga da Ribeirinha, de Paio Soares de Taveirós 

1- No mundo non me sei parelha
2- Mentre me for como me vai, 
3- Cá já moiro por vós, e - ai! 
4- Mia senhor branca e vermelha
5- Queredes que vos retraya 
6- Quando vos eu vi em saya
7- Mau dia me levantei, 
8- Que vos enton non vi fea! 
9- E, mia senhor, desdaqueldi, ai! 
10- Me foi a mi mui mal, 
11- E vós, filha de don Paai 
12- Moniz, e bem vos semelha 
13- Dhaver eu por vós guarvaia, 
14- Pois eu, mia senhor, dalfaia 
15- Nunca de vós houve nem hei 
16- Valia dua correa

Vocábulário

Nom me sei parelha
: não conheço ninguém igual a mim. 
Mentre: enquanto. 
Ca: pois. 
Branca e vermelha: a cor branca da pele, contrastando com o vermelho do rosto, rosada. 
Retraya: descreva, pinte, retrate. 
En saya: na intimidade; sem manto. 
Que: pois. 
Des: desde. 
Semelha: parece. 
D’haver eu por vós: que eu vos cubra. 
Guarvaya: manto vermelho que geralmente é usado pela nobreza. 
Alfaya: presente. 
Valia d’ua correa: objeto de pequeno valor.,


As cantigas satíricas de escárnio e de maldizer. 

As cantigas de escárnio. 

Nessa cantiga, o eu - lírico, faz uma crítica (sátira) indireta e com duplos sentidos a alguém. Para os trovadores fazerem uma cantiga de escárnio, ele precisa compor uma cantiga falando mal de alguém, ou seja, fazendo uma critica a alguma pessoa, através de palavras de duplo sentido, ou seja, através de ambigüidades, trocadilhos e jogos semânticos, através de um processo denominado pelos trovadores equívoco. 

Essa cantiga é capaz de estimular a imaginação do autor, sugerindo-lhe uma nova expressão irônica. 

Vejamos um exemplo de cantiga de escárnio: 

Ai, dona fea, foste-vos queixar 
que vos nunca louv[o] em meu cantar; 
mais ora quero fazer um cantar 
em que vos loarei toda via; 
e vedes como vos quero loar: 
dona fea, velha e sandia!... 


As cantigas de Maldizer. 

Esse tipo de cantiga, também traz criticas, ou seja sátiras diretas, porém não são acompanhadas de duplos sentidos. É normal que ocorra agressões verbais à pessoa que está sendo criticada, ou seja, satirizada, geralmente usa-se até mesmo palavrões para compor esse tipo de cantiga, onde se revela ou não o nome da pessoa que está sendo agredida verbalmente. 

Vejamos um exemplo de cantiga de Maldizer: 

Roi queimado morreu con amor 
Em seus cantares por Sancta Maria 
por ua dona que gran bem queria 
e por se meter por mais trovador 
porque lhela non quis [o] benfazer 
fez-sel en seus cantares morrer 
mas ressurgiu depois ao tercer dia!...
 

Outras modalidade satíricas 

As cantigas sátiricas distiguem-se de várias formas , ou modalidade de cantigas. 
• As cantigas de joguete arteio e risabelha: são pequenas composições que fazem rir somente no momento, ou seja, causa um riso imediato, e que não têm nenhuma críticas às pessoas e nem à sociedade.
• As cantigas de seguir: são construídas a partir de outra cantiga, ou seja, o tema da cantiga foi reaproveitado, os versos, as rimas e as músicas.
• O sirventês: muito diferente de uma sátira personalizada, era composto por um servo em honra a seu senhor, ou seja, escreveu sobre os inimigos de seu senhor
• O desacordo: se diferencia pela irregularidade do esquema métrico.
• As tensões: era como se fosse um desafio onde os trovadores e os jograis tinham que calcular suas habilidades poéticas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário